Aquele que por dias esperou

Standard

Uma palavra

A desculpa não veio.
Na ausência, fechei-me em silêncio.
Duro varrer em palavras, o perdão.

A desculpa não veio.
Na pressa, escondi o mundo.
Triste encarar em defeitos, o amor.

A desculpa não veio.
Na angústia, procuro outros meios.
Fácil medir em extremos, o outro.

A desculpa não veio.
Na espreita, dissimulo o sábio.
Amargo abraçar desafetos, a dor.

A desculpa, por fim, veio.
No tato, desafoguei meu suspiro.
Finalmente encontrei no tom, uma palavra.

(poema revisado “Uma palavra” de novembro de 2008)

 

A palavra

 

A desculpa não veio.
Na ausência, fechei-me em silêncio.
Duro vasculhar em palavras, o perdão.

A desculpa não veio.
Na pressa, escondi o mundo.
Triste encarar em defeitos, o amor.

A desculpa não veio.
Na angústia, procuro outros meios.
Fácil medir em extremos, o outro.

A desculpa não veio.
Na espreita, dissimulo o sábio.
Amargo abraçar desafetos, a dor.

A desculpa, por fim, veio.
No tato, desafoguei meu suspiro.
Finalmente encontrei no tom, a palavra.

 

(poema revisado “Uma palavra” de novembro de 2008)

Um Pouco de Prosa

Standard

garça branca

A bicada da garça

Atemorizado na terra do nunca e o peixe vivo no bico da garça branca.
Idiota encapuzado corria pelado colina abaixo com frio no íntimo.
Queria mover-se para não mais ficar a ouvir aquele sofrido eco tolo.

Seu tolo… olo… olo… ôh…

Era a culpa feito uma vespa gorda a picar e envenenar suas entranhas.
Pobre coitado! Beliscou a morte e criou desordem com a pouca vida.

Lembrou:

“O que faz aqui?”, perguntou a rainha embevecida do alto da torre.
“De mim tenho pena!” , respondeu o jovem com a calça ainda arriada.
A chave emperrada limitou o acesso do rei apressado que secou a boca.
“À sua esquerda, a janela, melhor saída.”, ela indicou sufocando-se no lenço.
Queda feia! Quebrou um osso ou mais. Torto, cumprimentou o pedinte.
“Não me amole, não trago moedas.”, desconversou e tapou as nádegas.
“Quem esteve aqui?” , bravejou o rei com as bochechas inchadas e vermelhas.
O cheiro do ato proibido entrava em suas narinas e coçava suas gengivas.
“Nada não meu querido amado. Apenas a nova essência vinda do mercado.”
“Essência essa de muito mau gosto, atesto! Que dobrem os tributos!”

Tributos esses sentidos pelo pai do foragido que triplicou a prometida sova.
A ardência rosada nas nádegas do bobo deixou-o calado, pobre e quebrado…
Não conseguia parar de pensar na corte, no rei, na rainha e no sexo vetado.