Poema para o temporariamente impronunciável

Standard

Ilustração de Katelin Szegedi

Ilustração de Katelin Szegedi

Ditado

O como é que se fala tá no meio da frase.
Tá no meio do verso.
Tá na estante no instante que meço.
Tá quando a pessoa sente a dúvida.
Tá onde o cego toca o incerto.
Tá onde mora o sonho.
Tá onde há a vírgula.
E também tá entre as vírgulas.
Tá entre mim e você.
É do tamanho do arranha céu,
mas ainda cabe no ventre.
Tá onde o suspiro vem.
E onde o outro entente.
É um tempero, uma nota, um verde.
Como é que se fala mesmo?
Tá no coloquial e tá no verbo.
Tá no nosso dia a dia.
Tá com você desde o feto.
Tá comigo e na mesa ao lado.
Tá na linha onde marca o metro.
E tá nos parênteses.
Tá com Deus e no adeus!
Tá na hora em que temos de partir
E como é que se fala mesmo?
Tá no ponto que breve será fim.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s