Para aqueles que foram conquistados pelo céu

Standard
Ilustração Estrelles de Murta Turan

Ilustração “Estrelles” de Murat Turan

Por ti apegado

Esta noite o céu me beijou e sussurrou ser meu par.
Desapegado, emprestou estrelas para me acompanhar.
Quebrada rotina, tenho inesperado rumo e sossego.
Areia umedecida, no pé vira cola por entre os dedos.

Tão salgado! Gelado mar vem testar meu calcanhar.
Natureza paquerada me deixa feliz este seu cheiro.
Vida longe cansativa e de perto cores para passeio.
Sensibilidade repentina tem no peito o seu lugar.

Poema depois da decolagem

Standard
Foto Avião

Asa do avião. Foto minha – Instagram

Terra de inventividades

Bom dia terra das inventividades!
Os criadores e as obras imaginadas.
Modo avião acionado e a mente livre para as criancices.
Pois vem das crianças o reino dos sonhos e das artes brincadas.

Longe do mar vemos as nuvens sombreadas.
Através delas, o lindo desenho dos desejos plantados.
Sobre as nuvens, minha vontade de pisar no algodão e senti-lo.
Tentadora, essa visão rejuvenesce meu prazer táctil.

Ágil nesta imensidão completa e branca com furos azuis.
Entre elas escorregas e tobogãs de texturas.
Ternura esta aventura lançada em inalcançáveis passeios.
Viagem sem pressa no reino onde o céu é um divertido brinquedo.

Após algumas tremidas, estamos prontos para a descida.
De repente a colcha branca de retalhos licenciou o verde.
Ele um tanto quanto montanhoso e cheio de rios espelhados.
Até a luz solar revelar a terra e seus tijolos emaranhados.

Construções e engenhocas sobre o chão recortado em cinza.
Carros e mais carros a caminho do caso e do acaso.
E caso eu me situe, terei teto no estado de sotaques bagunçados.
Pois sou brasileiro em capital de santo a criar romântico e inspirado.

Poema cantado pelos anjos

Standard
anjo barroco

Anjo Barroco

Ponta do céu

No quintal de minha casa fica a ponta do céu.
Na extremidade onde linhas românticas se afinam e se entrosam.
Um pedaço maior que a imensidão de meu pensamento.
Lá onde anjos de cabelos encaracolados se abraçam e cantam melodias de ricas rimas.
Entoando um vocabulário de idiomas distintos para ressaltar o meu afeto.
Nobre canto de líricos gracejos.
Quero minha língua enriquecida de adjetivos.
Sou um pedaço desse céu de onamotopeias infinitas que a cada dia se despedaça em flores e em chuvas.
Deixando minha natureza ainda mais bela e alentada pelo desejo.
Oh céu distante e agora perto que as vezes desperto!
Novo reino de inventividade que brotou em janeiro e jardineiro quer deixar meus dias ainda mais coloridos.
Longe da terra e do dissabor de ser pequeno.
Moro no local onde habita a ponta do céu.
Que esta seja a ponte de minha felicidade e de todos aqueles que semelhantes tenham a curiosidade…