Poema para mentes fantasiadas

Standard
"Leyendo metro", ilustração de Leah Piker

“Leyendo metro”, ilustração de Leah Piker

Habituada

Ela adormeceu logo após a primeira curva.
Condução lotada e barra feito travesseiro.
Já estava habituada à rotina de sacolejos.
E não mais sentia medo de ir por inteiro.

Sonhos travessos para metamorfosear.
Rostos estranhos em amigos do peito.
Ruídos grosseiros em cantos perfeitos.
Pisos degradados em nuvens de afofar.

Palavrões viram balões para estourar.
Fones no ouvido para corpo flutuar.
Um esbarro cria um passo inusitado.
E com outros, um ballet improvisado.

Inventividade para apagar tormentos.
E fé para seguir seu planejado intento.
Um sorriso capaz de mudar o momento.
E fazer da jornada diária, agradecimento.

Anúncios

Poema para os amores equivocados

Standard
Ilustração de Cori Dantini

Ilustração de Cori Dantini

Poesia equivocada

O que sobrou de nós dois foi apenas uma poesia.
Uma hipocrisia, pois a segunda atrevida se cria.
Versos meus, evito lembra-los do quanto sorria.
Dedico rima pobre para quem facilmente já ia.
Então prossiga e veja se encaixa noutra fantasia.
Inspirações tenho tantas para amar em demasia.

Poema para quando houver brecha à fantasia

Standard
Leicia Gotlibowski - Ilustrata

Ilustração de Leicia Gotlibowski

Pequena viagem de sentimentos inusitados

A mente chocalhou quando a árvore abraçou o ônibus.
Éramos passageiros engolidos por um novo mundo à parte.
Semelhante a um túnel negro cortado por luminosos pontos.
E mais focos de variadas cores chamativas e escarlates.

Impregnados neste inédito terreno de fantasia e curiosidade.
Cercados, éramos vagalumes em busca de conhecimento.
Até seres invisíveis virem na intenção de nos despir.
E de despertar nos abdômens aquela estranheza feito cócegas.

Constrangidos, preferimos retomar os conhecidos ares sérios.
Todavia perplexos neste universo de sentimentos inusitados.
Lembro-me de alguém agarrado à minha mão e de modo tímido sorrido.
Para assim respirar a emoção e, sem pressa, visitar minha libido.

Mas a derradeira luz se aproximou e estelar tomou o carro.
Fomos arremessados à avenida e novamente confundidos ao coloquial.
No meio de tanta pressa, ruído, cimento, todos isentos de argumentos.
Resignados ao simples, corriqueiro, movimentado, julgado e carnal.