Poema para os vampiros de palavras

Standard
Vincent - Tim Burton

Frame do curta de animação “Vincent” de Tim Burton (1982)

Girl and papers - Maritxell Ribas

Ilustração de Maritxell Ribas

Quando me falham as ideias
(Vampiros de palavras)

Passei cola no verso de cada folha,
a fim de pregá-las aqui do meu lado.
No meu quarto existem intrusos.
Gatunos caçadores de ideias alheias.
Feito vampiros, eles curtem mordidas.
E nos furos, sugam o sabor criativo das veias.

São invisíveis esses morcegos danados.
E gostam de nos confundir.
Estão ali, quando você nada vê.
E estão aqui, quando me faltam as palavras.
Chegam silenciosos como brisas,
mas são furacões às mentes aladas.

Contudo agora tenho as folhas coladas.
Em cada uma, as letras ilustradas.
Pois também sei trabalhar com códigos.
E assim atrapalho a ação desses gulosos.
Tenebrosos, vão se embora e eu apaziguado.
Ao menos do final deste ponto até o início dos próximos.

Para aqueles que caçaram nuvens

Standard
Caçadora de Nuvens de Isabelle Dermarly

Caçadora de Nuvens de Isabelle Dermarly

Pipa

Depois que diluiu e corou,
ficou para pescar as letras.
Sobraram poucas para a pipa.
Mas preparou seu voo infinito.

Bravo pensamento de ideias singelas.
Estalam rimas em tetos de zinco.
Sem afinco ou grampos de linha.
Apenas fios tensos e muita energia.

Cabe ao vento a sua imaginação rica.
Guiá-la com emoção e rodopios vivos.
Enfrentar chuvas, nuvens e pedradas.
No sol fincar seu posto, a beleza almejada.

Aquele que atropelou as palavras

Standard
The tree lyrics

The Tree lyrics (ilustração de Alessandra Cimatoribus)

Truncado

Há dias em que as palavras não casam umas com as outras.
É um atropelamento desengonçado e descontrolado.
Descompassado, tento retomar meu eu correto.
Duvidado e ligeiramente amuado procuro ser mais atento.
Indago o motivo. Não podem as sílabas nascerem sóbrias?
Palavra com palavra, em sintonia como namoro recém começado?
Mas não. Elas preferem esta repetição destreinada e teimosa.
Descontruindo o que sou e vendendo a imagem incorreta.
Correta é minha vida cheia desses atropelos e pequenos defeitos
involuntariamente charmosos que me tornam único e canhoto.
Sou destro e afoito atesto que, mesmo contra,
este aborrecido gaguejo em outras histórias será repetido.
Tem dias em que as palavras não casam umas com as outras.
Porém há dias em que elas se unem firmes e completas
e fazem de minha boca um berço de palavras direitas e diretas.