Dedicado à poesia enciumada

Standard
Amor 2 de MaRitxeLL RibaS

Amor 2, ilustração de MaRitxeLL RibaS

Música incompleta

Sou uma música incompleta.
Composta por palavras solteiras
Sem acompanhamento, arranjo ou coral.

Sou uma música rarefeita.
Isenta de ritmo, melodia e efeito.
Apenas uma vírgula à direita e um zero alheio.

Sou a música sem o intérprete.
Carente do banco e do pedestal.
Sou a fala sem o teu carisma.
Sou o silêncio em verso atonal.

Sou a música endoidecida.
Esquecida e não compartilhada.
Sou também a subestimada sinestesia.
Um diálogo quebrado, longe de ser essencial.

Mas sou poesia e defendo significados.
E aguardo leitores para completa-los.
Gosto da identificação e defendo a catarse.
Namorado do princípio e amante do emocional.

Aquele que atropelou as palavras

Standard
The tree lyrics

The Tree lyrics (ilustração de Alessandra Cimatoribus)

Truncado

Há dias em que as palavras não casam umas com as outras.
É um atropelamento desengonçado e descontrolado.
Descompassado, tento retomar meu eu correto.
Duvidado e ligeiramente amuado procuro ser mais atento.
Indago o motivo. Não podem as sílabas nascerem sóbrias?
Palavra com palavra, em sintonia como namoro recém começado?
Mas não. Elas preferem esta repetição destreinada e teimosa.
Descontruindo o que sou e vendendo a imagem incorreta.
Correta é minha vida cheia desses atropelos e pequenos defeitos
involuntariamente charmosos que me tornam único e canhoto.
Sou destro e afoito atesto que, mesmo contra,
este aborrecido gaguejo em outras histórias será repetido.
Tem dias em que as palavras não casam umas com as outras.
Porém há dias em que elas se unem firmes e completas
e fazem de minha boca um berço de palavras direitas e diretas.