Poema depois da decolagem

Standard
Foto Avião

Asa do avião. Foto minha – Instagram

Terra de inventividades

Bom dia terra das inventividades!
Os criadores e as obras imaginadas.
Modo avião acionado e a mente livre para as criancices.
Pois vem das crianças o reino dos sonhos e das artes brincadas.

Longe do mar vemos as nuvens sombreadas.
Através delas, o lindo desenho dos desejos plantados.
Sobre as nuvens, minha vontade de pisar no algodão e senti-lo.
Tentadora, essa visão rejuvenesce meu prazer táctil.

Ágil nesta imensidão completa e branca com furos azuis.
Entre elas escorregas e tobogãs de texturas.
Ternura esta aventura lançada em inalcançáveis passeios.
Viagem sem pressa no reino onde o céu é um divertido brinquedo.

Após algumas tremidas, estamos prontos para a descida.
De repente a colcha branca de retalhos licenciou o verde.
Ele um tanto quanto montanhoso e cheio de rios espelhados.
Até a luz solar revelar a terra e seus tijolos emaranhados.

Construções e engenhocas sobre o chão recortado em cinza.
Carros e mais carros a caminho do caso e do acaso.
E caso eu me situe, terei teto no estado de sotaques bagunçados.
Pois sou brasileiro em capital de santo a criar romântico e inspirado.

Para aqueles que já brincaram com poema acróstico

Standard
Meu amigaoZao

desenho "Meu amigãoZão"

Amigos dos dez segundos

U…m
Do…is
Três…

Um cruzou a porta do edifício que ficava lá daquele lado.
Dobrando o outro que desligava o telefone azulado. Engraçado.
Trabalhava o primeiro a três quadras em um pequeno projeto
que sem saber quadruplicava sonhos e vizinhava afeto.
Cansado das tardes desocupadas, o segundo procurou companhia.
Subiu a rua central na direção do ponto que ainda desconhecia.
Setembro se estendia e, do alto do prédio, um viu a rua pequenina.
Outros pontos se aglomeravam feito notas numa canção sem rima.
No meio delas, aquele que seria digno da união entre dois mundos.
Dez versos para compor esta história dos amigos dos dez segundos.